Search

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Associação brasileira de TVs por assinatura quer que Netflix siga normas do setor


Nesta terça-feira (29/7), durante a coletiva da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), Oscar Simões, presidente da associação brasileira de TVs por assinatura, falou do crescimento de 4,1% do setor, que alcançou quase 19 milhões de assinantes até maio de 2014, mas admitiu ser uma tendência as pessoas escolherem como e quando querem assistir televisão, daí a popularidade de serviços como a Netflix.

O executivo salientou, no entanto, que deve haver igualdade de condições para que tanto operadoras de TV a cabo quanto empresas de conteúdo on demand possam coexistir no mercado de forma justa. “Esse assunto é complexo. Não reivindicamos privilégios, mas igualdade de condições. Não há como concorrer com empresas que não têm as mesmas obrigações legislativas e tributárias”, destacou. Como exemplo, ele destacou a lei 12.485/2011, que determina que as operadoras dediquem 3h30 minutos de sua programação ao conteúdo nacional, algo que não é exigido para serviços de conteúdo online on demand.

Simões disse ainda que não considera serviços como a Netflix como concorrente, já que o consumidor não escolhe entre uma coisa ou outra, mas ambas. “A Netflix é um serviço complementar, não uma alternativa à TV por assinatura”, completou o executivo, argumentando que além de entretenimento, os canais a cabo também oferecem um cardápio que inclui notícias de qualidade, esportes, entre outros conteúdos exclusivos.

Na prática, o setor quer que o governo imponha os mesmos impostos e legislações absurdas que já têm que atender sobre a Netflix.

Fonte: Portal Imprensa

13 comentários :

  1. Este cara 'e burro mesmo. 3,5 horas de programacao nacional ? So escolher os filmes da Monica ou Carrossel pras criancas e pronto ? Pegadinha do malandro esta heim ?

    Todos sabem que a Tv a cabo no atual formato vai morrer a longo prazo. Ele so' esta' tentando dar um no' nos coitados que pagam uma fortuna por reprises sem fim

    ResponderExcluir
  2. Pelo o que eu sei, no Netflix tem bastante conteúdo nacional. E como a Netflix calcularia essas 3,5 horas? Ela não tem uma programação, apenas deixa disponível ao usuário o conteúdo para ele assistir na hora que quiser.

    ResponderExcluir
  3. Eles ainda não sabem, mas a TV a cabo vai perder cada vez mais espaço para o streaming. é sempre assim, a cada nova tecnologia a velha se sacode pra não perder seu lucro e espaço no mercado. São mesmo é gananciosos, porque querem ganhar muita grana, enquanto a Netflix é acessível pra quem não tem muito $$$ pra bancar as chatices, mesmices e reprises.

    ResponderExcluir
  4. Sabem o que não entendo nos brasileiros? Porque este cidadão não luta, briga, esperneia e grita bem alto para que o setor de TV por assinatura tenha os impostos reduzidos para competir seja lá com o que for, beneficiando os consumidores e não fazer barulho para que o outro setor se lasque tanto quanto o seu, aumentando os impostos dele também? Não faz sentido! Acorda Brasil!

    ResponderExcluir
  5. Isso é péssimo, o governo quer meter a mão em tudo também! Não dá para ter um serviço de qualidade a um preço justo como temos hoje sem que o governo meta a mão no lucro da empresa! Isso está virando a Venezuela.

    ResponderExcluir
  6. que palhaçada so porque a netflix tem um preço justo esses caras fazem isso

    ResponderExcluir
  7. Pra que o cara quer igualdade de condições pra algo que ele nem considera como concorrência e sim serviço complementar? Se fosse assim a sugestão deveria ser para que as operadoras daqui agissem como algumas operadoras lá de fora e fazer acordo para integrar Netflix no pacote on demand.

    Brazil sendo Brazil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade ele sabe muito bem que é concorrente, sim, e já deve estar com medo.

      Excluir
  8. isso só pode ser piada, né? tá todo mundo cansado da mesmice da tv a cabo e suas infinitas reprises, além dos preços absurdos cobrados. O consumidor decide o que quer assistir, e a tv por assinatura atual, mais do que ultrapassada, está morrendo de medo. BOMBA neles!

    ResponderExcluir
  9. Duas coisas.
    Primeiro: Como é que ele compara serviço por streaming com programação de TV Paga?
    TV Paga está relacionado ao tempo (3:30h semanais) e o serviço de streaming ao espaço (dos servidores da Netflix). E como se ele quisesse que as locadoras tivessem "3:30h" de programação semanal!! E como se ele não tivesse ideia da diferença das duas tecnologias!
    Agora que a Netflix está produzindo seu próprio conteúdo até teria a desculpa de uma tal cota, mas não relacionada ao tempo de horas semanais.
    A segunda coisa é que se ele não vê a Netflix como concorrente então porque está preocupado com ela? Ou melhor, por que quer as mesmas regras da tv paga para o serviço de streaming já que não são a mesma coisa?!?!?!

    ResponderExcluir
  10. Engraçado que teoricamente os políticos deveriam trabalhar em prol da população e não é isso que estamos vendo. O Governo só quer saber o que é bom pra ele e quer que qualquer um fique com o rabo preso com ele porque se pararem para pensar, a atividade de serviço por streaming como o Netflix contribui e muito para a sociedade pois nos dá acesso à cultura e do jeito que queremos, ou seja, ver o quer, na hora que quer e por um preço justíssimo ao meu ver. O que posso opinar mais diante do que falei?

    ResponderExcluir
  11. Kra isso não é bom. O crescimento do Netflix tá amedrontando "Os senhores tv paga" no Brasil e só vai aumentar mais ainda quem tem não larga mais é o futuro da tv. Eles querem uma fatia do bolo, tá claro. Temo por impostos para tentar abalar a empresa aqui no Brasil e isso não seria nenhum absurdo, afinal os senhores de Brasília são os mesmos donos das tvs a cabo ou tem ínteresses. E adivinha quem vai pagar a conta no final do mês?

    ResponderExcluir