Search

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Opinião: "Merlí", uma série adolescente com ideias adultas


Assisto quase todos os originais da Netflix assim que são lançados, mas foi diferente com "Merlí", uma curiosa série catalã que desembarcou na Netflix em dezembro do ano passado. Fui assistindo episódio por episódio, semanalmente, e com tristeza percebi que a temporada acabou.

"Merlí" pode ser vista de muitas formas. Sem rejeitar a adolescência, central em sua temática, a série luta contra preconceitos e ideias politicamente corretas com o mesmo vigor. Além das histórias do professor, a crônica de crescimento do filho em direção à idade adulta é especialmente bonita.

Merlí é um professor diferente. A cada aula de ensino médio que leciona, ele explica a seus alunos sobre os grandes expoentes da Filosofia, desde os pré socráticos até Foucault e David Hume. Com ideias simples e muitas perguntas, a série é leve sem agredir a inteligência do espectador, mostrando como conceitos filosóficos complexos podem ser aplicados no dia a dia.

O professor protagonista é uma grande figura. Bastante liberal e quase falido, ele tem um lado humano apaixonado por seus alunos e em especial por seu filho, um garoto se descobrindo homossexual. Mas Merlí não é uma pessoa simples: ele toma atitudes no mínimo questionáveis (quando tenta ajudar um aluno com agorafobia, por exemplo), é mulherengo e gosta de comprar uma briga.

Um pequeno spoiler para ilustrar. Merlí, na aula sobre Maquiavel, questiona insistentemente seus alunos se os fins justificam os meios, provocando altos questionamentos morais. No entanto, ele mesmo não é nenhum exemplo de moral, já que rouba uma cópia das provas para ajudar o filho. Isso tudo no mesmo episódio, fazendo quem assiste gostar e ao mesmo tempo questionar as atitudes do professor.

"Merlí" me surpreendeu, se revelando muito mais que uma série adolescente comum. Se você gosta de Filosofia, de conflitos humanos e de bons diálogos, assista sem medo. E se você já assistiu, pode esperar que novas temporadas devem chegar à Netflix.

André Taffarello

4 comentários :

  1. Série maravilhosa! Esperando ansiosamente a segunda temporada.

    ResponderExcluir
  2. Série espetacular! Uma reflexão filosófica a cada episódio, sensacional!

    ResponderExcluir
  3. Série muito boa, com diálogos inteligentes, o único problema é o foco de alguns episódios na vida de personagens secundários que pra mim não eram interessantes.

    ResponderExcluir
  4. Só não entendi a classificaçào de 12 anos que na verdade é para uns 18 anos

    ResponderExcluir