Search

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Resenha: "Já não me sinto em casa nesse mundo" - um planeta cheio de cretinos


Na sexta feira (24) estreou om novo filme independente original Netflix, "Já não me sinto em casa nesse mundo". A produção estrelada por Melanie Lynskey e Elijah Wood é um suspense-comédia obscura com muita inteligência e ótimas atuações.

Contém spoilers leves
Ruth (Melanie Lynskey) está desconsolada. Ela vive numa rotina tranquila, do trabalho para casa, mas as pequenas frustrações do dia a dia parecem se acumular de uma forma insuportável: alguém furando a fila do caixa, opiniões políticas totalmente abjetas transmitidas pela televisão, um espertinho passando no caixa rápido de 15 volumes com um carrinho cheio.

A primeira parte de "Já não me sinto..." constrói esse ambiente, tão real em nossas vidas: um mundo cheio de pessoas cretinas, mal educadas, sem noção do próprio espaço. As primeiras cenas do filme são excelentes, fazendo o espectador rir de nervoso (ou não se sentir representado, o que muito provavelmente o coloca no grupo dos mal educados).

A gota d'água da paciência de Ruth é um roubo que sofre em sua casa, ao qual as autoridades policiais não dão muita atenção. Ela então recruta um amigo improvável, Tony (Elijah Wood), que a ajuda a tentar reaver seus pertences.

Ser educado no dia a dia com desconhecidos é sempre um desafio. É muito mais fácil agir como a maioria e simplesmente fazer o que é mais conveniente pra você naquele momento. O filme trabalha essa ideia, numa espécie de queda de Ruth em direção ao mau-caratismo, e ela tem que passar por um desafio intenso para provar sua fibra.

Melanie Lynskey está excelente no papel de pessoa comum, só alguém vivendo sua vida tentando não fazer mal aos outros. Há uma boa sintonia com Wood, que parece ter se especializado em comédias de humor negro nos últimos tempos.


Em alguns momentos, "Já não me sinto..." me fez pensar em "Um dia de fúria", filme com Michael Douglas em que uma pessoa comum surta e tenta resolver seus problemas com uma bazuca. Mas enquanto em "Dia de Fúria" a revolta é contra "o sistema", contra um inimigo sem rosto (o engarrafamento, o hambúrguer que não corresponde à imagem ilustrativa), em "Já não me sinto..." a revolta de Ruth tem caras e nomes bem definidos: o carinha furando a fila, o ladrão. Além disso, Ruth questiona suas decisões e tem um ajudante com uma moral sólida, o que não acontecia com D-Fens, o personagem de Douglas.

Gostou dessa resenha? Não deixe de comentar e aproveite pra ver as outras do blog.

Apesar de algumas cenas desnecessariamente sangrentas perto do final, "Já não me sinto em casa nesse mundo" vale muito a pena e é uma excelente adição permanente ao catálogo da Netflix. E não custa perguntar: você levou sua bandeja ao lixo da última vez que comeu no shopping?

André Taffarello

10 comentários :

  1. Como foi a estreia de ultimate-beastmaster? faz uma resenha ai ,kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, eu gostei mas de um jeito meio envergonhado. Não sei como escrever sobre reality show, talvez eu tente fazer alguma coisa

      Excluir
  2. Uma bomba. Os irmãos Coen só existem um...

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei do filme, achei muito real as primeiras situações q a personagem vive, pessoas folgadas e cretinas por toda parte, aquelas q furam a fila do supermercado, passam 100 volumes num caixa de 15, aquelas q levam o cachorro pra passear e deixam fazer cocô na calçada dos outros. Humor inteligente

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei. Achei um conjunto bem interessante no fim das contas.

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei, esse o único tipo de comédia que eu gosto.

    ResponderExcluir
  6. Achei o filme genial! Ele consegue começar com um drama pacato, levar pra comédia e terminar com um horror trash com muito sangue de uma forma muito boa! Fora a trilha sonora que vai acompanhando a evolução do filme indo desde sons calmos ate sons pesados no final! Filme muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  7. Achei o filme genial! Ele consegue começar com um drama pacato, levar pra comédia e terminar com um horror trash com muito sangue de uma forma muito boa! Fora a trilha sonora que vai acompanhando a evolução do filme indo desde sons calmos ate sons pesados no final! Filme muito bom mesmo!

    ResponderExcluir